31 de julho de 2009

e passou julho

Não aceito ter passado um mês inteiro sem escrever nada aqui. E se há sítio onde a batota é permitida, esse sítio é a internet. Hoje já é Agosto mas eu exijo ter um post em Julho.

Tenho dores fechadas em caixinhas. Quando ouvi esta frase pela primeira vez achei que alguém me tinha visto por dentro. Quantas dores cabem numa pessoa só?
Eu vou tentando, neste caos que sou por dentro, arrumar todos os pensamentos e desenhos e pinturas em prateleiras. Tudo à vista. E ao som do riso. Mas as dores, guardo-as em caixinhas. Que vou perdendo no meio da tralha. Volta e meia desoriento-me. Perdi a conta às caixinhas que juntei. Só me lembro de acabar sentada num consultório, diante dum médico que tinha olhos azuis e a voz dos colchões colunex. Já não conseguia pensar, nem pintar, nem mexer-me com as dores. Quando abri a boca para lhe dizer das caixinhas, fez-se-me um nó na garganta e comecei a chorar antes da primeira palavra. Ele deu-me o colo de que eu precisava. Ouviu tudo tudo tudo. Segui de lá para uma farmácia.
Depois disso, socorri-me de todos os outros colos que me rodeiam e que não me fazem perguntas, nem julgamentos. O amor cura. Eu sem forças, sem risos, com náuseas. O amor cura. Algures debaixo duma montanha de caixinhas que se desmoronou, estaria eu. E que sorte a minha por tanta gente me reconhecer sem hesitar, apesar de tão desfigurada debaixo dos destroços.

14 comentários:

bi disse...

Benvinda Natacha!
Há que aproveitar o bom tempo e mesmo que chova de vez em quando...
Deite fora as chaves das caixinhas e continue, que a vida é linda!Um beijo de carinho.

Marta Mendes disse...

minha querida, fiquei preocupada
esta ausência e agora este post, está tudo bem contigo??

um araço

Alecrim disse...

Minha querida, bem-vinda. Senti muito a tua falta. Mesmo.

nat disse...

:)*
:)*
:)*

sapatinhos de verniz disse...

Tás de volta... que bom!

Sim, o amor cura tudo!
Foi mesmo a única cura que me restaurou dum estado vegetativo de longos 5 anos!
E é nesse amor que redescobrimos o nosso reflexo... porque esse amor não existiria, se não o tivessemos partilhado um dia com alguém!

Bem vinda de volta!

sapatinhos de verniz disse...

Já agora, se me é permitido...
Agora que reconheceste a existência das caixinhas, não voltes a guardar lá medos, mágoas, tristezas ...
Assim que aparecerem, mesmo que te apanhare despercebida, enfrenta-as com coragem, com olhos seguros e coração atento!
Enfrenta-as... No meu caso foi o segundo passo para não desperdiçar espaço na minha vida com coisas que pesam demais e me fazem parar/atrasar...
O primeiro passo foi o amor incondicional que recebi, o único e verdadeiro antídoto para dispersar a apatia em que me encontrava!

Força Natacha, e desculpa o abuso do conselho!
Grande Abraço!

hpinto disse...

Já estranhavamos e sentiamos a tua falta.
Entendo essa das caixinhas embora essa explicação não deixe de ser engraçada.
Às vezes acontece. E acontece principalmente às pessoas que parecem sempre muito optimistas, bem-dispostas e engraçadas. As caixinhas às vezes dão mesmo de si.

Tenho-te a dizer que o amor cura e que o tempo também. E um dia começas a conseguir arrumar essas caixinhas como deve ser, porque afinal elas começam mesmo a ser cada vez menos :o) não porque todas as coisas não continuem a existir à tua volta, tudo o que costumas arrumar nessas caixinhas continua a existir: apenas as dores deixam de ser tão grandes.

Espero que voltes bem e volta só quando puderes e quiseres que nós cá estaremos à espera :o***

Marta Figueroa disse...

beijinhos!!!
lembrei-me de ti mesmo agora, ao passar por este post - http://design-milk.com/ami-suma/
ia mandar um email, mas depois reparei que já o tinha feito há uns tempos atrás :D

Anónimo disse...

Querida Natacha conheci o seu blog a pouco tempo, mas ja gosto tanto de você, quero que melhore logo e volte a escrever...A comparação das caixinhas foi ótima tambem pensei num colar de contas que arrebenta e não conseguimos segurar as pedras caidas ao chão. Um grande abraço e fique com Deus!!!

Van Dog disse...

Uauff!

nat disse...

Muito muito obrigada. Eu estou bem. Se não estivesse, não teria feito este post.
Beijos e abraços apertadinhos!

sandra disse...

Que bom que estás de volta Nat!!!
É engraçado que andamos a ouvir essa música cá por casa e já algum tempo que andava para a colocar no blog!
Fico contente de saber que tens quem te mime e dê colo! Fica bem!!!

Marta Mourão disse...

Ai ai ai. Manda essas caixinha dar uma volta! Beijinhos.

Rutinha disse...

minha querida,
às vezes acumulamos tralha e caixinhas na nossa vida, que precisam de uma limpeza.
espero q consigas rapidamente "limpar" as tuas caixinhas para deixar espaço para outras coisas boas :)
bjnho bjnho